10/04/2017

Precisamos falar sobre 13 Reasons Why

Com certeza você ouviu falar sobre 13 Reasons Why na última semana, talvez não por esse nome, mas sim por Os 13 Porquês. A nova série da Netflix que estreou no dia 31 de março deu e continua dando o que falar, e mesmo que eu não tenha lido o livro não poderia deixar de assistir. Antes que me julguem por isso: eu não li o livro por falta de interesse, acontece que eu não conhecia a história, passei a conhecer com a série e em breve pretendo ler. Eu comecei a assistir na segunda-feira passada e terminei na quinta; demorei mais do que pretendia pra ver todos os episódios, mas confesso que talvez tenha sido necessário pra que eu não ficasse mais abalada do que já fiquei. 

Que a Hannah morre todo mundo sabe e isso não é spoiler, mas acompanhar todos os passos que levaram a isso não é somente pesado, acaba com qualquer um. Nós conhecemos o Clay, o nerd do segundo ano que é tímido, não vai a festas e não tem - quase - nenhum amigo. Confesso que me identifico com essa descrição, mas isso não interessa agora. Ele recebe uma encomenda em sua casa exatamente uma semana depois que Hannah Baker se matou, aparentemente sem motivo. Eles eram amigos, mas Clay afirma totalmente ao contrário para qualquer um que pergunte. 

0

Ele descobre que a encomenda possui 13 fitas, deixadas pela Hannah antes de morrer, contando os 13 motivos e pessoas que levaram ela a tirar a sua vida. Clay fica confuso na maior parte dos episódios e conforme vai ouvindo as fitas - o que acontece extremamente devagar - vai perdendo o controle. Descobrimos que ele tomava remédio para ansiedade anos atrás e ao longo dos episódios vemos que ele voltou a ter pesadelos e o próprio relata que ao ouvir as fitas sofre com ataques de pânico. Isso acontece primeiro porque ele está ansioso pra saber porque está nas fitas, segundo porque se sente impotente de não ter ajudado a Hannah e terceiro por que está com raiva de todos na escola. Há outros motivos, mas tu descobre olhando. No meio de tudo isso Clay pode contar com Tony, seu amigo e pessoa responsável por garantir que todos os 13 porquês ouçam as fitas. 

Como eu li em um texto esses dias, 13 Reasons Why é cheia de diversidade. Há diversos personagens homossexuais que namoram sem problema nenhum e que aparentemente não sofrem nenhum tipo de preconceito. Há também personagens negros e pessoas que levam vidas diferentes. A cada fita que eu escutava o meu coração ficava mais pequeninho. Doía ver tudo que faziam com a Hannah e tu acaba se sentindo mal por querer ajudá-la e por saber que isso acontece nos dias atuais. Os piores episódios pra mim, no quesito de serem os mais pesados, são o 06 e todos a partir do 09. A série não chegou somente para entreter as pessoas, mas para passar uma mensagem. Eles mostram e tratam os adolescentes como adultos, exploram os problemas que todos têm, mostram como é a vida dentro e fora da sala de aula, uma realidade que nem todos os pais conhecem. Li muitos comentários em vídeos no youtube e até no twitter de gente falando que a Hannah se matou pra chamar a atenção, que era drama, que a série é uma porcaria e blábláblá. Eu tenho quase certeza que esses comentários vêm de pessoas que nunca passaram por nada parecido, nunca se sentiram como a Hannah se sentiu ou nunca tiveram um parente/amigo próximo nessa situação. Como uma das lições principais da série é pensar nos outros, não somente na gente, eu recomendo que essas pessoas que nunca passaram por nada parecido não julguem. Melhorem seus pensamentos. Se tu não passou por nada, o colega do lado pode tá passando. 



Eu indico 13 Reasons Why tanto para adolescentes quanto adultos. Os pais precisam ver como é a realidade das escolas, porque infelizmente a maioria é como na série: cheia de alunos metidos que menosprezam os outros, comentários obscenos nas portas e paredes dos banheiros e uma série de acontecimentos que deviam e precisam vir à tona pra impedir que mais jovens sejam uma Hannah Baker ou até mesmo um porquê de outra pessoa. A série está aí pra aprendermos a sermos gentis com os outros e a nunca tirarmos sarros ou fazer brincadeiras desagradáveis. Pode ser engraçado pra mim, mas pra fulano não. Fulano pode se sentir mal com isso. A série está repleta de, como eu vi no twitter, "tapas na cara da sociedade". Os ensinamentos da série devem ser repassados para todos, deviam passar como tema de casa nas escolas os alunos assistirem um episódio por dia. É preciso que todos aprendam a ser menos babacas e cruéis. O mundo está cruel e 13 Reasons Why mostra tudo isso.

Posso dizer que chorei nos três últimos episódios? A Hannah sofreu todo o tipo de agressão que vocês podem imaginar e quando foi pedir ajuda, quando investiu em uma última tentativa de continuar vivendo, teve que ouvir o conselheiro da escola falar que era pra ela seguir em frente. Esquecer. Como se nada tivesse acontecido. Foda, né? Isso faz com que muitas pessoas que passam por bullying e demais problemas pensem em não pedir ajuda, pois acham que vão ouvir a mesma coisa - e infelizmente isso acontece em alguns casos. Além de conhecer a vida da Hannah e todos os porquês por trás de sua morte, nós vemos também problemas enfrentados por outros personagens (a maioria deles é totalmente babaca, mas 1% se salva pelo fato de nunca terem zoado com a Hannah ou por simplesmente terem se arrependido, não que isso apague o que eles fizeram) que nos dão a entender que possivelmente haverá uma 2ª temporada. Posso dizer que amei?

0

Nem todos compartilham dessa alegria e vontade de uma continuação, mas o importante é saber respeitar a opinião e o argumento do amiguinho. A série teve uma boa repercussão no mundo inteiro e em apenas uma semana e poucos dias depois do seu lançamento, uma organização de prevenção ao suicídio teve os seus pedidos de ajuda duplicados. O Centro de Valorização da Vida contou que pelo menos 50 pedidos de ajuda mencionaram a série e Hannah Baker. Eu espero de verdade que mais pessoas se conscientizem com os episódios e se tornem pessoas melhores. 

Isso era - e é - pra ser considerado uma resenha, por mais que tenha ficado confuso e longo. Eu só queria deixar claro para vocês os meus pensamentos sobre a série e falar o que muitos já falaram, mas que é preciso continuar falando: cuide com o que tu fala pro outro, cada um leva a vida de uma maneira e tu nunca sabe o que tá passando na vida das pessoas. Elas podem estar em um momento difícil ou não, mas é importante não extrapolar os limites das brincadeiras e oferecer ajuda quando ver que alguém está precisando.

PS: A trilha sonora é muito amorzinho! Quem sabe não vira o próximo tema do Papo Musical? 

// enjoy it

4 comentários:

  1. Essa série... Essa série. A gente PRECISA sim falar sobre esse assunto e na minha visão a série acertou na forma que abordou o assunto. Tem gente criticando as cenas mais fortes, mas logo após o término da série apareceu para mim um documentário chamado ''entendendo os porquês'', onde o elenco, produtores e profissionais da saúde mental explicam o porquê de terem usado essa abordagem na construção dos episódios. Ou seja: eles se importam, pesquisaram e tiveram o apoio de psicólogos e psiquiatras para fazer algo que levantasse justamente essa bandeira: que não é só uma fase, que não é só uma piada. Fora os pedidos de ajuda do CVV que aumentaram.
    Claro, é uma história pesada. A carga emocional dos acontecimentos te deixa abalado, e por isso é importante estar bem emocionalmente para ver a série. Mas eu gostei muito. De verdade. Os piores para mim foram os episódios 12 e 13, o 13 pela cena em si da morte dela, mas pela raiva que senti com o conselheiro da escola.
    O livro tá maravilhoso, eu li e fiz resenha lá no blog. Ele é mais ''sutil'' em algumas coisas, mas não deixa de ter uma carga bem pesada. Espero que goste quando ler!

    Não se assuste com esse comentário gigante, às vezes eu falo demais.
    Um beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Thaís, tudo bem? Eu fiquei sabendo sobre esse documentário, mas ainda não cheguei a ver. Já tá na minha listinha de afazeres, hehe. A série é completamente importante, isso é fato. A cena da morte dela realmente é pesada, eu quase não consegui olhar, chorei horrores.
      Acabei de ler a resenha lá no seu blog, ficou maravilhosa! Em breve pretendo comprar e ler. Muito obrigada pelo comentário, viu? Volte sempre!

      Excluir
  2. Quero muuuuito assistir, comecei mas nem finalizei ainda ;/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É demais, eu estou prestes a assistir de novo!

      Excluir

Alguns Teoremas © , Todos os Direitos Reservados. DESIGN POR Sadaf F K. | Modificado por Bibi Faccio